Voltar

Enem: o que você precisa saber

12 janeiro 2021 | Ensino

Para que serve, quanto vale, qual é a estrutura e o que mais cai no Enem? 

Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tinha como objetivo inicial apenas avaliar a qualidade do Ensino Médio no Brasil. Alguns anos mais tarde, o exame se tornou a principal porta de entrada para as universidades federais e estaduais no país. 

Todo ano, milhões de estudantes, das redes pública e privada, preparam-se para enfrentar esse que é um dos maiores desafios da trajetória de qualquer aluno. Mas, o quanto você sabe sobre o Enem?

Nos próximos dias 17 e 24 de janeiro, o exame será aplicado no formato impresso e, até lá, você pode tirar as suas dúvidas no guia que preparamos:

O que é e para que serve o Enem?

O Exame Nacional do Ensino Médio é um teste, elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), aplicado anualmente para avaliar o desempenho dos alunos que estão concluindo a educação básica e colaborar para:

  • O acesso à educação superior: com as notas do exame, os alunos podem ingressar em universidades federais e estaduais, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), ou em instituições privadas, com bolsas integrais ou parciais concedidas pelo Programa Universidade para Todos (Prouni) a estudantes de baixa renda que estudaram em escolas públicas. Vale lembrar que em 2021 a nota obtida nas provas do Enem realizadas em janeiro não poderão ser utilizadas no Sisu do primeiro semestre. A justificativa para a decisão, segundo o Ministério da Educação, é que isso atrasaria o início das aulas nas universidades. 
  • O acesso a financiamento e apoio estudantil: fazer o Enem e obter uma nota média de 450 pontos (sem zerar a redação) é um dos requisitos para conseguir financiar a faculdade pelo Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies).
  • Autoavaliação: os estudantes conseguem ter uma noção do seu desempenho em diversas áreas do conhecimento, podendo conhecer melhor seus pontos fortes e fracos.
  • Desenvolvimento de estudos e indicadores educacionais: o Enem levanta dados estatísticos sobre a qualidade do Ensino Médio no Brasil e oferece às escolas indicadores que as ajudam a entender sua posição entre as demais instituições em todo o país. 

Qual é a estrutura do Enem?

O exame é composto por quatro provas (de áreas do conhecimento diferentes), com 45 questões objetivas cada, e uma redação, de no máximo 30 linhas.

  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: Língua Portuguesa, Literatura, Língua Estrangeira (Inglês ou Espanhol), Arte, Educação Física e Tecnologias da Informação e Comunicação.
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias: História, Geografia, Filosofia e Sociologia.
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias: Química, Física e Biologia.
  • Matemática e suas Tecnologias: Matemática.
  • Redação: texto dissertativo-argumentativo, que deve ser desenvolvido com base em uma situação-problema proposta na prova.

Atualmente, a aplicação do exame ocorre em dois finais de semana. No primeiro dia, os alunos fazem as provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias e Redação. No segundo, é o momento de enfrentar mais 90 questões de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias 

O que mais cai?

Sim, o Enem cobra muito conteúdo. Mas, analisando suas edições anteriores, já é possível apontar os temas que mais caem no exame. Confira o top 5 de cada componente curricular, segundo o Guia do Estudante. 

  • História: 1) Segundo Reinado; 2) Baixa Idade Média; 3) República Velha; 4) Era Vargas;  5) governos pós-regime militar. 
  • Geografia: globalização, climatologia, cartografia, urbanização e indústria.
  • Filosofia: 1) filosofia contemporânea; 2) Escola Sofística, Sócrates e Platão; 3) Aristóteles e Escola Helenística; 4) filosofia medieval; 5) Renascimento. 
  • Sociologia: 1) cidadania; 2) mundo globalizado; 3) economia e sociedade; 4) política, poder e estado; 5) cultura e educação. 
  • Língua Portuguesa: 1) estrutura e formação de palavras; 2) preceitos básicos dos estudos literários; 3) pontuação; 4) verbo; 5) Modernismo no Brasil: primeira geração.
  • Interpretação de texto: 1) tipos de estudo; 2) funções da linguagem; 3) categorias de mundo; 4) intertextualidade; 5) narratividade. 
  • Arte: 1) elementos básicos de artes plásticas; 2) vanguardas europeias; 3) elementos básicos da música; 4) música no século XX; 5) Artes nos séculos XV e XVI.
  • Educação Física (apenas três temas são apontados pelo Guia): 1) esportes adaptados; 2) esporte e espetáculo; 3) cuidados com a saúde . 
  • Inglês e Espanhol: apenas interpretação de texto; 
  • Matemática: 1) funções; 2) noções básicas de estatísticas; 3) probabilidade; 4) áreas de figuras planas e polígonos; 5) análise combinatória. 
  • Química: 1) compostos orgânicos; 2) leis ponderais e estequiometria; 3) reações inorgânicas; 4) termoquímica; 5) modelos atômicos e distribuição eletrônica. 
  • Biologia: 1) bioenergética; 2) genética; 3) relações ecológicas; 4) hematologia; 5) excreções. 
  • Física: 1) calorimetria; 2) impulso, quantidade de movimento e análise dimensional; 3) Geradores, receptores, capacitores e leis de Kirchhoff; 4) forças magnéticas, indução e fluxo; 5) refração e lentes.

Quanto vale?

O aluno participante do Enem recebe uma nota de 0 a 1000 em cada uma das provas objetivas e na redação. A média aritmética dessas cinco pontuações é a nota que será usada para concorrer a uma vaga pelo Sisu ou a uma bolsa pelo Prouni. 

Vale ressaltar que o Enem se destaca pelo método utilizado na avaliação do desempenho dos estudantes. Trata-se da Teoria de Resposta ao Item (TRI), o algoritmo usado para corrigir e dar nota às questões da prova. O método busca legitimar o conhecimento dos alunos e é uma forma de impedir o “chute”. 

Funciona assim: cada uma das 180 questões do exame tem um nível de dificuldade (fácil, médio ou difícil) e o algoritmo identifica, pelo padrão de erros e acertos do candidato, se ele acertou porque de fato sabia (leva o ponto inteiro da questão) ou se chutou (não recebe a pontuação cheia). Ou seja, a nota final não depende apenas do número de acertos, e sim do nível de dificuldade das questões que o aluno acertou e também das que errou.

Como aprovar mais no Enem? 

Engajar o aluno, personalizar o ensino e promover experiências são algumas das ações indispensáveis para que sua escola aprove mais alunos no Enem. Isso tudo facilita o aprendizado e contribui com o grau de confiança dos estudantes. Confira cada uma das dicas detalhadamente e saiba mais no e-book que preparamos: Como ser referência em aprovações no Ensino Superior – 5 dicas essenciais.

O Enem na pandemia

Por conta da pandemia de Covid-19, que paralisou as aulas presenciais em escolas do Brasil e do mundo, a edição de 2020 do Enem ocorrerá apenas em 2021, nos dias 17 e 24 de janeiro. 

Além disso, haverá a aplicação em computador para 100 mil estudantes que escolheram participar da primeira edição do Enem Digital, que conta com edital específico e está programada para os dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Mais informações sobre as novidades, você encontra no site do Inep.

Enem Positivo

Nós, do Sistema Positivo de Ensino, sabemos que é papel da escola preparar seus alunos da melhor forma para o Enem, pois formar profissionais que possam fazer a diferença no mundo é dever de todos que assumem um compromisso com a educação. 

Por isso, estamos ao seu lado e oferecemos recursos focados nessa preparação para que a sua escola tenha os melhores resultados:

  • Mais de 3 mil videoaulas.
  • Aplicativo com banco de questões de vestibulares e do Enem para treinos personalizados;
  • Avaliações e simulados on-line com acesso a relatórios para mostrar pontos fortes e fracos.
  • Webestudantes com nossos assessores das diversas áreas do conhecimento.
  • Aulões e lives com especialistas e influenciadores digitais.

Com tudo isso, 70% das escolas conveniadas estão entre os 10 primeiros lugares no Enem.

Gostou de saber mais sobre o Enem? Então continue nos acompanhando no Instagram, no Facebook e no YouTube. Para saber mais sobre gestão escolar e as novidades do Sistema Positivo de Ensino, volte sempre ao nosso blog.

Leia também: Ensino Híbrido: Tudo que você precisa saber